...E ASSIM NASCEU FAFE...




Historial da Cidade Fafe

 É uma jovem cidade do Minho, mas com origens antigas. Por aqui andaram povos como os Lusitanos e os Romanos, que deixaram marcas consideráveis, hoje pontos atrativos aos visitantes.

Praça 25 de abril















Bandeira de Fafe
 











 Brasão do município de Fafe

Fafe é uma terra, pequena, mas com valor, pois possui inúmeros monumentos e agradáveis espaços verdes. Fafe é também conhecida pelo lema “ Com Fafe ninguém fanfe”, lema esse que apareceu quando, há muitos anos atrás, se fez justiça a favor do Visconde Moreira de Rei. Nesse tempo, como agora, o lema provoca um sorriso de simpatia por todos os fafenses. Talvez por isso e por ser uma pequena cidade que tão bem acolhe os visitantes, Fafe foi e ainda é considerada a SALA DE VISITAS DO MINHO.


Sala de Visitas do Minho
Fafe é uma cidade recente, mas que, como povoação, existe desde o Séc. XIII, sendo apenas uma freguesia do conselho de Montelongo, o qual recebeu o foral do Rei D. Manuel em 5 de Novembro de 1513. Esta freguesia desde muito cedo, iniciou o seu desenvolvimento. Assim em 1836 torna-se sede de conselho e quatro anos mais tarde sobe à categoria de Vila, tomando para designação o nome Fafe em desfavor do nome Montelongo. Este Topónimo surge como que por homenagem às duas famílias mais poderosas da região ( Egas Fafe e Dom Fafes Serafins). É nesta altura, com cerca de 10.282 habitantes que Fafe começa o seu verdadeiro desenvolvimento. Durante o próximo século a sua população aumenta. Torna-se uma Vila que vive à base da indústria têxtil, da agricultura e dos serviços. Em 1980 já tinha 48.000 habitantes, 36 freguesias e era uma Vila bastante desenvolvida. Passando então, por mérito próprio à categoria de Cidade. O continuado desenvolvimento da cidade deve-se aos autarcas, como também à sua população, visto ser esta uma das principais responsáveis por toda a evolução da nossa terra pois sempre se preocupou em trabalhar quer na agricultura ( no seu inicio), quer nos outros ramos, indústria e comercio (mais recentemente ) para que a nossa terra enriquecesse tanto a nível financeiro, como a nível cultural. Fafe é agora uma terra relativamente desenvolvida, mas que tem na memória o seu passado e as suas origens.

 Rancho Folclórico de Fafe
Localização geográfica:

 Fafe é uma das cidades da província(estado) do Minho, do distrito e arquidiocese de Braga e situa-se a 32 Km a este da Capital de Distrito. O conselho de Fafe possui uma área de 216,72 Km2 aproximadamente, de que fazem parte 36 freguesias, às quais se encontram circundadas pelos conselhos de Cabeceiras e Celorico de Basto, Guimarães, Póvoa de Lanhoso, Felgueiras e Vieira do Minho. Fafe situa-se num vale entre a Serra da Lameira, os Montes da Penha e outras montanhas. Numa vista aérea destacam-se três rios ladeados por arvoredo e que se espreguiçam pela periferia da cidade. São eles o Rio Ferro, que tem a sua nascente para o lado de Moreira de Rei, o Rio do Bugio, que inicia o seu percurso para os lados de S. Gens e o Rio Vizela, que acolhe os outros dois e desagua no Rio Ave. Ainda recentemente o Rio Vizela foi enriquecido com uma Barragem na freguesia de Queimadela, podendo proporcionar aos visitantes o agradável sossego e frescura de uma praia fluvial ladeada pela verdura da natureza.

 Monumentos históricos

 O concelho de Fafe possui alguns monumentos históricos, deixados pelos primeiros povos que por aqui passaram, tais como a civilização castreja, de que é testemunho o castro de Sto. Ovídeo onde podemos ver vestígios das suas construções, e onde foi encontrada a estátua de um guerreiro Galaico, atualmente exposto no Museu Martins Sarmento em Guimarães. Existem ainda duas igrejas de estilo Românico, apesar de se encontrarem já bastante adulteradas; são elas a Igreja Românica de Arões, construída no séc.XIII e a Igreja de S. Gens, que é o que resta de um antigo Mosteiro de traça Românica.

Igreja Românica de Arões

 Existem ainda residências apalaçadas de arquitetura com fortes marcas brasileiras, uma vez que foram construídas por “ brasileiros de torna – viagem “ como forma de investir os seus capitais. • Nestas arquiteturas é de salientar a Igreja Matriz de Sta. Eulália (séc. XVIII-XIX ), o Solar do Santo Velho (séc. XVIII), o Solar da Luz (séc. XVIII-XIX) e o Teatro- Cinema construído em 1923, que apresenta uma bela fachada pintada.

 • Igreja Matriz Solar da Luz 













-  Cine Teatro de Fafe













 A Justiça de Fafe

 A Justiça de Fafe “ é o símbolo que mais caracteriza a cidade. Falar de Fafe, para muitos, é falar da “ Terra da Justiça” e consequentemente da lenda “ Com Fafe Ninguém Fanfe “. pelo nosso Portugal afora, Fafe é conhecida principalmente pela imagem da Justiça e pelo lema que a ela está associado, marcando assim os seus habitantes. • Contam as pessoas mais antigas, que esta tradição surgiu quando nas Cortes do Reino, um Visconde de Moreira de Rei se atrasou para uma sessão e ao chegar, um Fidalgo, que assistia, o insultou, julgando-o um vilão. No momento o Visconde ignorou os insultos, mas no final da sessão, o Fidalgo continuou a censurá-lo, atirando-lhe as luvas à cara. Então ajustou--se um duelo, na qual o Visconde é que escolhia as armas. Marcou-se o dia, a hora e o local. De acordo com o combinado, apareceram todos e constatou-se que a arma era um pau de marmeleiro. Visto que o Fidalgo não sabia muito bem manejar o pau num duelo, o Visconde deu a primeira paulada. A assistência, vendo tal “ palhaçada”, pois o Fidalgo limitou-se a defender-se, o que fez com que todos se desatassem às gargalhadas, proclamando “ Viva a Justiça de Fafe e com Fafe Ninguém Fanfe”. Explica-se assim o aparecimento da nossa mais conhecida lenda, da qual não se sabe a data, mas orgulhou e orgulha os habitantes desta Terra.


Matéria em construção...

0 comentários:

Postar um comentário