A HISTÓRIA DO GOIÁS ESPORTE CLUBE

Goiás Esporte Clube
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.



Nome: Goiás Esporte Clube
Alcunhas: Verdão, Esmeraldino
Torcedor/Adepto: Esmeraldino
Mascote: Periquito
Fundação: 6 de abril de 1943 (68 anos)
Estádio: Estádio Hailé Pinheiro
Capacidade: 10.000 torcedores
Localização: Goiânia - GO, Brasil
Mando de jogo em Estádio: Serra Dourada
Capacidade (mando): 50.049 torcedores
Presidente: Hailé Selassié de Goiás Pinheiro
Treinador: Enderson Moreira
Material esportivo: Lotto
Competição: Campeonato Goiano
Campeonato Brasileiro
Copa do Brasil
Copa Sul-americana
Ranking nacional: 13º lugar, 1.523 pontos

Goiás Esporte Clube é uma agremiação esportiva brasileira do estado de Goiás, com sede na cidade de Goiânia, fundado em 1943. Tem como principal rival o Vila Nova, e ainda uma rivalidade mais leve com o Atlético Goianiense.

Possui a maior torcida de Goiânia, do estado de Goiás (dentre todos os clubes brasileiros), e a quarta maior do Centro-Oeste brasileiro (atrás apenas do Flamengo, Corinthians e São Paulo) conforme pesquisa realizada pelo Instituto Ibope.

O Goiás foi o primeiro time goiano à disputar o Campeonato Brasileiro da Série A, e o primeiro e único à disputar uma Copa Libertadores da América e uma Copa Sul-Americana; representando todo o pioneirismo do futebol goiano no cenário futebolístico nacional. O primeiro e único time da região a chegar numa final de Copa do Brasil e Copa Sul-Americana.

Em seu estado, o esmeraldino é supremacia: Com 22 títulos goianos, o clube alviverde é o maior vencedor do campeonato de seu estado e mantém vantagem sobre todos os seus rivais. O Goiás também é detentor da maior glória do futebol goiano até hoje: O Campeonato Brasileiro da Série B conquistado pelo clube em 1999.

Estádio Serra Dourada

Nome oficial: Est. Serra Dourada
Capacidade: 60.000 torcedores
Endereço: Jardim Goiás
Inauguração: 09/03/1975
Primeiro jogo: Sel. Goiana 02x01Sel. Portuguesa
Primeiro gol: Otávio (seleção portuguesa)
Recorde de público: 79.610(sel. goianaxsel.port.)
Dimensões do gramado: 110mx78m
Proprietário: governo do estado de Goiás


História

O clube foi fundado em 6 de abril de 1943, organizado por um grupo de amigos. Para jogar a primeira partida de sua história, contra o Atlético Goianiense, utilizou camisas (verdes com listas horizontais brancas) doadas pelo América Mineiro. Só que os mineiros só puderam dar nove camisas e foi preciso completar com duas inteiras brancas.

Por mais de 20 anos, o clube permaneceu pequeno. Durante as décadas de 50 e 60, o Goiás foi chamado jocosamente pelos rivais de "Clube dos 33" – brincadeira de que seria esse o número de torcedores que o clube tinha. Além da fama de impopular o time também era considerado perdedor: foram anos, em que o único brilho vinha de do atacante Tão Segurado, que vestiu a camisa esmeraldina entre 1954 e 61 e foi o primeiro jogador do time a ser artilheiro do Campeonato Goiano, em 1956.

Em 1966 a equipe conquistou o primeiro título no Campeonato Goiano, comandado pelo zagueiro Macalé.

Durante a década de 1970 os esmeraldinos conquistaram 4 títulos estaduais e participaram, em 73, de seu primeiro Campeonato Brasileiro. A 13ª colocação foi aceitável, mas destacada mesmo foi uma partida específica, uma das maiores da história do clube: no Pacaembu, diante do Santos, o Goiás perdia por 4 x 1 e a vitória já parecia coisa assegurada, tanto que Pelé foi substituído. Nos últimos 15 minutos, Lucinho, Matinha e principalmente Paghetti – que marcou três gols – brilharam e arrancaram um glorioso empate por 4 x 4. Quando os santistas desceram para o vestiário com cabeça baixa, Pelé, já de banho tomado, achou que era brincadeira.

Décadas de 1980 e 90

Durante os anos 1980, o Goiás já era o dono do Estado que leva o seu nome e uma presença constante no Brasileiro – muitas vezes tendo um papel de destaque como em 1983. A equipe que tinha Zé Teodoro na lateral-direita, Dadá Maravilha na frente e era liderada por Luvanor terminou em 5º lugar. Depois da participação destacada, o meia se transferiu para o Catania (ITA) e voltou em 1990, a tempo de comandar outra campanha ilustre, a do vice-campeonato da Copa do Brasil.

Foi por essa época que começou outra tradição: a de ser o lar de grandes artilheiros do Campeonato Brasileiro. Na edição de 1989, surgiu para o País um centroavante que passaria a ser referência de oportunismo e marketing pessoal durante as duas décadas seguintes: Túlio (que na época ainda era "Maravilha"). Ele foi o maior goleador daquele torneio, repetiu o feito no Campeonato Goiano de 1991 e chamou a atenção do Sion (SUI) - a primeira das muitíssimas andanças do artilheiro. Seu substituto, no ano seguinte, foi Baltazar. O "Artilheiro de Deus" – que começou sua carreira no Atlético Goianiense - se destacou na conquista do Goiano de 1994, quando marcou 25 gols, e no vice-campeonato da Série B do Brasileirão, que levou o clube de volta à elite.

E quando usamos "elite" não é só maneira de dizer. No segundo ano de seu retorno à divisão principal, o Goiás se tornou a primeira (e por enquanto única) equipe goiana a chegar à semifinal do Brasileiro. Com um ataque imparável formado por Alex Dias (que depois se transferiria para a França),

Lúcio e Dill, em 96 os goianos só foram barrados pelo Grêmio, que se sagraria campeão. Alguns dos principais nomes daquela equipe acabaram negociados, o que resultou em duas campanhas fracas: 19º lugar em 97 e o 22º em 98, quando o clube voltou à Série B. Mas foi por pouco tempo: uma nova geração já se formava, com nomes como o atacante Fernandão. O Goiás foi campeão da segunda divisão em 1999 e voltou à Série A pela porta da frente.

Década de 2000

Na temporada do ano 2000, o atacante Dill foi artilheiro do Goiano com 29 gols e também do Brasileirão, em que marcou 20 gols na campanha da equipe rumo à 10ª posição.

Desde então, a condição de um dos melhores clubes do Brasil – e um dos que mais revelam artilheiros - não se alterou mais. Primeiro foi a quebra de recorde conseguida por Dimba em 2003. Graças à ajuda valiosa de Danilo, Grafite e Araújo, o camisa 9 marcou 31 gols naquela temporada e bateu a marca de maior número de gols numa edição do Brasileirão, que era de Edmundo (e que seria quebrada novamente por Washington, do Atlético-PR, em 2004).

Paulo Baier ainda brilha no Goiás Apesar da saída de tantos jogadores, o núcleo foi refeito e, com nomes como Paulo Baier, Rodrigo Tabata, Jadílson e Souza, os esmeraldinos comandados por Geninho terminaram o Brasileiro de 2005 em 3º lugar e conquistaram uma vaga inédita na Libertadores da América. E não só a vaga: o time passou pela primeira fase como líder e caiu nas oitavas-de-final, por causa do critério do gol fora de casa, contra o Estudiantes de La Plata (ARG). Mais um ano, mais um camisa 9 do Goiás na artilharia: em 2006, quando o clube completou a quarta temporada seguida entre os 10 primeiros do Brasil, Souza liderou a tabela com 17 gols. Coisa que já não surpreendia mais ninguém. Coisa de time grande. Coisa de quem já conquistou muito, muito mais do que 33 torcedores.

Em 2009, conquistou o Campeonato Goiano sobre o Atlético-GO e com a melhor campanha da competição. O clube foi eliminado (de forma invicta) nas oitavas-de-final da Copa do Brasil pelo Fluminense. Alegando que o jogador Everton foi escalado irregularmente nos jogos da semifinal, o Atlético-GO entrou com uma ação na justiça contra o Goiás que poderia tirar até 12 pontos do clube esmeraldino (ou seja , perder o título do Goianão) e mais uma multa de 1 a 10 mil reais. Porém, o STJD deu ganho de causa ao Goiás que manteve o título.

Começou o Brasileiro com uma série de empates e derrotas, mas encaixou uma sequência de 6 vitórias consecutivas e terminou o 1º turno na 3ª posição. Mas o time caiu muito de rendimento na segunda metade do certame, e com uma das piores campanhas do returno fechou a principal competição nacional em 9º lugar. Na Copa Sul-Americana o Goiás foi eliminado para o Cerro Porteño (PAR) também nas oitavas e terminou a competição em 12º lugar.

2010

Após uma campanha ruim no Campeonato Brasileiro, foi rebaixado à Série B com dois jogos de antecipação. No entanto, o time fez uma boa campanha na Copa Sulamericana, chegando a sua primeira final de uma competição internacional em vitória sobre o Palmeiras, de virada, por 2 a 1, no Pacaembu. O Goiás tinha perdido o primeiro jogo por 1 a 0, no Serra Dourada e venceu no critério do gol fora de casa. No dia primeiro de dezembro, venceu o Independiente da Argentina pelo placar de 2 a 0 no primeiro jogo da final da Copa Sulamericana. Porém na partida de volta, o time perdeu por 3 a 1 no tempo normal e foi derrotado nos pênaltis por 5 a 6 (Felipe errou a cobrança), ficando assim, em segundo lugar.

Cronologia

* 1943 – É fundado em 6 de abril.
* 1944 – Primeira participação no Campeonato Goiano, ainda na fase do amadorismo.
* 1951 – Decide o estadual pela primeira vez. Empata um jogo e ganha outro do Goiânia, que recorre à Justiça. Seis anos depois, decide-se o título. O Goiânia vence por 3-2.
* 1960 – Adquire o terreno da Serrinha numa área conhecido como Fazenda Macambira.
* 1965 – Período de dificuldades da equipe no Campeonato Goiano, quando chega a ser ameaçada de rebaixamento e só escapa graças à vitória numa partida de desempate diante da extinta Sociedade Esportiva Riachuelo.
* 1966 – Com apenas uma derrota para o Anápolis (campeão do ano anterior) na estreia, a equipe alviverde conquista o Campeonato Goiano, o primeiro título da história do clube.
* 1967 – Primeira participação num torneio nacional, a Taça Brasil. Vence o Rabello-DF por 1 a 0 na estreia, mas não se classifica num grupo que ainda tinha Goytacaz-RJ e Rio Branco-ES.
* 1971/72 – Período de muitos títulos. O clube conquista seu primeiro bicampeonato goiano e leva também os troféus da Taça Governador e do Torneio Goiás-Pará.
* 1973 – O Goiás é o primeiro clube goiano a disputar o Campeonato Brasileiro. Na estreia, empata em 0-0 com o Olaria no estádio Olímpico, em 26 de agosto. A primeira vitória também é no Olímpico, 1-0 diante do Flamengo. O time termina em décimo-terceiro entre quarenta clubes.
* 1975/76 – O segundo bicampeonato estadual do clube coincide com a inauguração do estádio Serra Dourada. Em 25 de agosto de 1975, o Alviverde empata em 0-0 com o Santos na primeira vez em que o Serra Dourada é usado no Brasileirão.
* 1981 – Quebra a sequência de quatro títulos do Vila Nova e volta a ser campeão. A conquista, no entanto, foi no tapetão. Numa das partidas da final, contra a Anapolina, o Goiás ganhou os pontos alegando irregularidade na escalação de um jogador adversário.
* 1983 – Outro título do Campeonato Goiano em cima da Anapolina, dessa vez dentro de campo. Mas o ano é marcado pela excelente participação da equipe no Campeonato Brasileiro, quando chega às quartas-de-final. Negocia o craque Luvanor com o Catania e aproveita para fazer a primeira excursão internacional da história do clube, na Itália. A diretoria negocia a aquisição da área do CT do Parque Anhanguera.
* 1987 – Convidado para participar da Copa União, o Campeonato Brasileiro organizado pelo recém fundado Clube dos 13.
* 1988 – Aplica a maior goleada de um clube goiano em jogos oficiais. No Serra Dourada, em 11 de maio, venceu a Jataiense por 12 a 0.
* 1989 – Início de uma grande fase. É campeão estadual, décimo colocado do nacional e chega às semifinais da Copa do Brasil. Para completar, faz seu primeiro artilheiro do Campeonato Brasileiro, Túlio Maravilha, com onze gols.
* 1990 – Conquista novamente o Campeonato Goiano, fica em 9º no Brasileirão e disputa a final da Copa do Brasil diante do Flamengo, mas perde o título ao empatar em 0-0 no Serra Dourada.
* 1991 – Primeiro tricampeonato estadual.
* 1992 – Não alcança o tetra goiano, faz péssima campanha no Brasileiro e só não é rebaixado por causa de uma virada de mesa. De memorável, apenas uma excursão ao Oriente Médio, onde o time empata duas partidas contra a Catar.
* 1993 – Primeiro rebaixamento no Campeonato Brasileiro.
* 1994 – Retorna à elite do futebol nacional em grande estilo, como vice-campeão do Campeonato Brasileiro Série B. Conquista também o Campeonato Goiano.
* 1995 – Fica entre os oito melhores do Campeonato Brasileiro e inaugura o Estádio da Serrinha num amistoso diante do Kashima Antlers, do Japão.
* 1996 – Uma de suas melhores campanhas no Brasileirão, do qual só é eliminado nas semifinais pelo Grêmio, futuro campeão. O time abre a série de títulos estaduais que culminaram no pentacampeonato em 2000.
* 1997 – Chega ao bi estadual e traz os pernambucanos Araújo, Josué e Marquinhos, mas faz campanha ruim no Campeonato Brasileiro. É incluso no Clube dos 13.
* 1998 – O tricampeonato goiano é a salvação do clube no ano, pois é rebaixado pela segunda vez no Brasileiro.
* 1999 – Ano da redenção. Tetracampeão goiano, o Goiás chega às quartas-de-final da Copa do Brasil e ganha seu único título nacional, o Campeonato Brasileiro Série B.
* 2000 – Com sobras, o pentacampeonato é do Goiás. O time conquista a Copa Centro-Oeste e o torneio seletivo à Copa dos Campeões, ambos de forma invicta. No Campeonato Brasileiro, faz de Dill o artilheiro, com vinte gols, e termina a fase de classificação em quarto, mas cai nas oitavas-de-final.
* 2001 – O clube é bicampeão da Copa Centro-Oeste e faz campanha regular no Brasileirão.
* 2002 – Dois títulos: o tricampeonato da Copa Centro-Oeste e a reconquista do Campeonato Goiano.
* 2003 – O Alviverde é bi estadual, semifinalista da Copa do Brasil e notabiliza-se com uma impressionante campanha de recuperação no Campeonato Brasileiro, quebrando vários recordes e partindo da lanterna para o nono lugar. Ao lado de Araújo e Grafite, Dimba forma uma temida linha de frente e alcança a artilharia do Brasileirão, com trinta e um gols.
* 2004 – Participa de seu primeiro torneio internacional, a Copa Sul Americana. Elimina o Atlético Mineiro na primeira fase, mas pára no Cruzeiro. No Campeonato Brasileiro, vai bem novamente e termina na sexta posição.
* 2005 – Melhor campanha do Goiás em Campeonatos Brasileiros. A equipe disputa o título simbólico do primeiro turno, se mantém nas primeiras posições durante todo o Returno e fecha o torneio com uma vitória por 3-2 sobre o campeão Corinthians. É 3º lugar no geral e se classifica pela primeira vez à Copa Libertadores da América.
* 2006 – O Alviverde tem pela frente sua primeira disputa de Copa Libertadores da América e não decepciona, é líder do seu grupo e um dos melhores classificados no geral do torneio, é eliminado nas oitavas de finais pelo Estudiantes da Argentina pelo critério do gols marcados fora de casa, terminando a competição em nono lugar.
* 2007 – Umas das piores campanhas do Goiás em Campeonatos Brasileiros. A equipe realizou uma "final" com o Corinthians no Estádio Serra Dourada, que acabou empatado o jogo em 1-1, com o Goiás perdendo um pênalti. Porém, decidindo na última rodada do campeonato com o rebaixamento inédito do Corinthians e a permanência do Goiás na Elite do Futebol Brasileiro.
* 2008 - O Goiás foi surpreendido no Campeonato Goiano pelo Itumbiara, terminando como vice-campeão. No Brasileirão, o Alviverde terminou na oitava colocação, classificando-se para a Copa Sul-americana de 2009.
* 2009 – Conquistou o Campeonato Goiano sobre o Atlético-GO e com a melhor campanha da competição. O clube foi eliminado (de forma invicta) nas oitavas-de-final da Copa do Brasil pelo Fluminense. Terminou o Brasileiro em 9º lugar. Na Copa Sul-americana o Goiás foi eliminado para o Cerro Porteño nas oitavas e terminou a competição em 12º lugar.
* 2010 - No Campeonato Goiano terminou em 4º lugar. Na Copa do Brasil foi eliminado pelo Vitória nas oitavas de final. No Campeonato Brasileiro foi rebaixado à série B do com duas rodadas de antecedência. Chegou a sua primeira final em uma competição internacional, na Copa Sul-americana de 2010 ficando em segundo lugar.
* 2011 (em andamento) - Vice-campeão do Campeonato Goiano, perdendo a final para o rival Atlético-GO. Eliminado pelo São Paulo nas oitavas-de-final da Copa do Brasil e na Série b o time goiano anda fazendo campanha razoável no campeonato até o momento do primeiro turno.

Títulos

Nacionais

* Campeonato Brasileiro Série B: 1999

Regionais

* Copa Centro-Oeste: 2000 - 2001 e 2002
* Torneio Seletivo à Copa dos Campeões: 2000

Estaduais

* RFEF - Campeonato Goiano: (22 vezes) 1966, 1971, 1972, 1975, 1976, 1981, 1983, 1986, 1987, 1989, 1990, 1991, 1994, 1996, 1997, 1998, 1999, 2000, 2002, 2003, 2006 e 2009
* RFEF - Torneio Início: (6 vezes) 1942, 1948, 1951, 1955, 1956 e 1960

Outras Conquistas

* Liga.png Troféu Governador Octávio Lage (Torneio Interestadual de Goiânia): 1978
* Torneio Pará-Goiás: 1973
* Copa Leonino Caiado: 1973
* Torneio Newton Barreira: 1972
* Taça Dr. Manoel dos Reis e Silva: 1971
* Torneio Joviro Rocha: 1970

Campeão Invicto

Destaques

* CONMEBOL - Copa Sul-Americana: Vice-Campeão 2010
* CBF - Copa do Brasil: Vice-Campeão 1990
* Campeonato Brasileiro de 2005: 3º lugar
* CONMEBOL Copa Libertadores de 2006: 9º lugar
* Time que mais participou da Série A (36 vezes) depois do G-12.
* 11º melhor time brasileiro da América do Sul na década, 34º lugar geral.
* 10º melhor time do Brasil na década, segundo o Ranking R7.

Curiosidades

Gols em Campeonatos Brasileiros Série A

* O PRIMEIRO GOL - Foi marcado por Lincoln contra o Flamengo no dia 29 de Agosto de 1973 no Estádio Olímpico Pedro Ludovico.
* O CENTÉSIMO GOL - Foi marcado por Maisena contra o América-RJ no dia 26 de Setembro de 1976 no Estádio Olímpico Pedro Ludovico.
* O GOL 500 - Foi marcado por Evandro contra o Grêmio no dia 05 de Dezembro de 1996 no Estádio Serra Dourada.
* O MILÉSIMO GOL - Foi marcado por Paulo Baier contra o Atlético-MG no dia 08 de Agosto de 2008 no Estádio Serra Dourada.

Jogos Internacionais Oficiais

* 26/01/2006 - Deportivo Cuenca-EQU 1 X 1 Goiás - Copa Libertadores da América de 2006
* 01/02/2006 - Goiás 3 x 0 Deportivo Cuenca-EQU - Copa Libertadores da América de 2006
* 14/02/2006 - Unión Española-CHI 0 X 2 Goiás - Copa Libertadores da América de 2006
* 22/02/2006 - Goiás 2 x 0 The Strongest-BOL - Copa Libertadores da América de 2006
* 15/03/2006 - Goiás 3 x 0 Newell's Old Boys-ARG - Copa Libertadores da América de 2006
* 22/03/2006 - Newell's Old Boys-ARG 0 X 0 Goiás - Copa Libertadores da América de 2006
* 05/04/2006 - The Strongest-BOL 1 X 0 Goiás - Copa Libertadores da América de 2006
* 19/04/2006 - Goiás 0 x 0 Unión Española-CHI - Copa Libertadores da América de 2006
* 25/04/2006 - Estudiantes-ARG 2 X 0 Goiás - Copa Libertadores da América de 2006
* 04/05/2006 - Goiás 3 x 1 Estudiantes-ARG - Copa Libertadores da América de 2006
* 11/09/2007 - Goiás 2 x 3 Arsenal Sarandí-ARG - Copa Sul-Americana de 2007
* 04/10/2007 - Arsenal Sarandí-ARG 1 X 1 Goiás - Copa Sul-Americana de 2007
* 22/09/2009 - Cerro Porteño-PAR 2 X 0 Goiás - Copa Sul-Americana de 2009
* 01/10/2009 - Goiás 3 x 1 Cerro Porteño-PAR - Copa Sul-Americana de 2009
* 28/09/2010 - Goiás 1 x 0 Peñarol-URU - Copa Sul-Americana de 2010
* 21/10/2010 - Peñarol-URU 3 X 2 Goiás - Copa Sul-Americana de 2010
* 01/12/2010 - Goiás 2 x 0 Independiente-ARG - Copa Sul-Americana de 2010 - Final
* 08/12/2010 - Independiente-ARG 3 (5) X (3) 1 Goiás - Copa Sul-Americana de 2010- Final

Total
18 partidas, com 8 vitórias, 4 empates, 6 derrotas, marcando 25 gols e sofrendo 18 gols, com o saldo de 7 gols.

Maiores Goleadas

* Goiás 12 x 0 Jataiense - Campeonato Goiano
* Goiás 10 x 1 Anápolis - Campeonato Goiano de 1991
* Goiás 9 x 0 Serra/ES - Copa Centro Oeste de 2002
* Goiás 7 x 0 Juventude/RS - Campeonato Brasileiro de 2003
* Goiás 7 x 0 São José/AP - Copa do Brasil de 2010
* Goiás 7 x 1 Real Clube - Campeonato Goiano de 2003
* Goiás 7 x 2 Goiânia - Campeonato Goiano de 2002
* Goiás 7 x 2 Goiatuba - Campeonato Goiano de 2003
* Goiás 6 x 0 Grêmio/RS - Campeonato Brasileiro de 1997
* Goiás 6 x 0 Rioverdense - Campeonato Goiano de 2007
* Goiás 6 x 1 Vitória/BA - Campeonato Brasileiro de 1988
* Goiás 6 x 1 Fluminense/RJ - Campeonato Brasileiro de 2003
* Bandeirante/DF 1 x 6 Goiás - Copa Centro Oeste de 2001
* Anapolina 1 x 6 Goiás - Campeonato Goiano de 2005
* Santa Helena 1 x 6 Goiás - Campeonato Goiano de 2011
* Aparecidense 1 x 6 Goiás - Campeonato Goiano de 2011
* Vila Nova 1 x 6 Goiás - Campeonato Goiano de 2009
* Canedense 2 x 6 Goiás - Campeonato Goiano de 2008
* Americano/RJ 2 x 6 Goiás - Copa do Brasil de 2001
* Goiás 6 x 3 Internacional/RS - Campeonato Brasileiro de 1996
* Goiás 6 x 3 Serra/ES - Copa Centro Oeste de 2001
* Goiás 5 x 0 Londrina/PR - Campeonato Brasileiro de 1978
* Goiás 5 x 0 Operário/MS - Copa do Brasil de 1990
* Goiás 5 x 0 Anapolina - Copa Centro Oeste de 2000
* Goiás 5 x 0 Ponte Preta/SP - Campeonato Brasileiro de 2004
* Goiás 5 x 1 Santa Cruz/PE - Campeonato Brasileiro de 1973
* Goiás 5 x 1 Flamengo/RJ - Campeonato Brasileiro de 1991
* Goiás 5 x 1 Vila Nova - Copa Centro Oeste de 2000
* Goiás 5 x 1 Goiatuba - Campeonato Goiano de 2005
* Anápolis 1 x 5 Goiás - Campeonato Goiano de 2004
* Goiás 5 x 2 Sport/PE - Campeonato Brasileiro de 1992

(*) Apenas placares de 5 para cima.

Maiores Públicos

* 1. Goiás x Vila Nova - 64.614 pagantes - Campeonato Goiano de 1979
* 2. Goiás x Flamengo - 61.258 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1983
* 3. Goiás x Vila Nova - 58.953 pagantes - Campeonato Goiano de 1977
* 4. Goiás x Vila Nova - 58.843 pagantes - Campeonato Goiano de 1982
* 5. Goiás x Santos-SP - 58.391 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1983
* 6. Goiás x Botafogo-RJ - 55.694 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1995
* 7. Goiás x Fluminense - 53.000 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1975
* 8. Goiás x Corinthians - 47.746 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1983
* 9. Goiás x Flamengo - 49.981 pagantes - Campeonato Brasileiro de 2001
* 10. Goiás x Flamengo - 49.665 pagantes - Copa do Brasil de 1990
* 11. Goiás x Flamengo - 49.625 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1975
* 12. Goiás x Vila Nova - 47.712 pagantes - Campeonato Goiano de 1999
* 13. Goiás x Flamengo - 47.699 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1984
* 14. Goiás x Vila Nova - 46.636 pagantes - Campeonato Goiano de 1993
* 15. Goiás x Flamengo - 46.461 pagantes - Campeonato Brasileiro de 2003
* 16. Goiás x Flamengo - 46.453 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1984
* 17. Goiás x Criciúma-SC - 45.504 pagantes - Copa do Brasil de 1990
* 18. Goiás x Flamengo - 45.504 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1990
* 19. Goiás x Flamengo - 45.380 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1986
* 20. Goiás x Vila Nova - 45.351 pagantes - Campeonato Goiano de 2001
* 21. Goiás x Vila Nova - 45.317 pagantes - Campeonato Goiano de 2005
* 22. Goiás x Internacional - 45.270 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1976
* 23. Goiás x Vila Nova - 44.707 pagantes - Campeonato Goiano de 1989
* 24. Goiás x Fluminense - 43.466 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1984
* 25. Goiás x Corinthians - 43.000 pagantes - Campeonato Brasileiro de 2005
* 26. Goiás x Flamengo - 42.464 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1997
* 27. Goiás x São Paulo - 41.745 pagantes - Campeonato Brasileiro de 2006
* 28. Goiás x Vila Nova - 41.156 pagantes - Campeonato Goiano de 1976
* 29. Goiás x Vila Nova - 41.003 pagantes - Campeonato Goiano de 1982
* 30. Goiás x Corinthians - 39.973 pagantes - Campeonato Brasileiro de 2007
* 31. Goiás x Flamengo - 39.200 pagantes - Campeonato Brasileiro de 2008
* 32. Goiás x Flamengo - 37.320 pagantes - Campeonato Brasileiro de 2009
* 33. Goiás x Internacional - 36.173 pagantes - Copa do Brasil de 1999
* 34. Goiás x Atlético-MG - 35.889 pagantes - Campeonato Brasileiro de 1987
* 35. Goiás x Independiente-ARG - 35.500 pagantes - Copa Sul-Americana de 2010
* 36. Goiás x Internacional - 34.215 pagantes - Campeonato Brasileiro de 2007
* 37. Goiás x Flamengo - 32.729 pagantes - Campeonato Brasileiro de 2005
* 38.Goiás x Vasco - 32.343 pagantes - Copa do Brasil de 1999
* 39. Goiás x São Paulo - 30.237 pagantes - Campeonato Brasileiro de 2003
* 40. Goiás x Itumbiara - 30.236 pagantes - Campeonato Goiano de 2008
* 41. Goiás x São Paulo - 30.110 pagantes - Campeonato Brasileiro de 2007

(*) Apenas acima de 30 mil.

Ranking´s

Ranking da FGF

Ranking criado pela Federação Goiana de Futebol, que atribui pontuação aos times de Goiás. Esse ranking computa todos os pontos dos clubes goianos no Campeonato Goiano de Futebol.

* Posição: 1º

Ranking da CBF

Ranking criado pela Confederação Brasileira de Futebol, que atribui pontuação aos times do Brasil. Tal ranking limita-se a pontuar os clubes por suas participações em Campeonatos Brasileiros Séries A, B, C e D (1959-atualmente), além de Copas do Brasil (1989-atualmente).

* Posição: 13º
* Pontuação: 1.523 pontos

Ranking Conmebol

Ranking criado pela Conmebol, que atribui pontuação aos times sul-americanos. Esse ranking computa pontos dos torneios internacionais.

* Posição: 8º Brasil / 23º Geral
* Pontuação: 137.7 pontos

Ranking IFFHS

Ranking criado pela IFFHS, que atribui pontuação aos times sendo computados os pontos dos torneios internacionais, nacionais, regionais e estaduais em ordem de separação e importância. Na década:

* Posição: 26º na América do Sul / 88º no Mundo
* Pontuação: 1083,0 pontos

Ídolos

* Tão Segurado

Herói dos 33 Torcedores

Na época em que o Goiás não colecionava títulos, Tão Segurado é lembrado como o grande jogador do time. O lendário atacante jogou de 1954 a 1961 e foi o primeiro artilheiro do Campeonato Goiano pelo Alviverde, em 1956, quando anotou 22 gols. Na ocasião, ele aproveitou a provocação dos rivais de que o Goiás tinha apenas 33 torcedores para homenagear a claque esmeraldina. O ídolo dizia que havia feito 33 gols, um para cada torcedor. Apesar do desencontro nos números, a frase virou um mito no futebol goiano. Tão Segurado morreu em 1997.

* Lincoln

O primeiro grande matador

Os feitos do Leão da Serra começaram em 1973, quando foi artilheiro do Campeonato Goiano com dezoito gols. No mesmo ano, fez o primeiro gol do Goiás na história do Campeonato Brasileiro, na vitória por 1-0 sobre o Flamengo. Participou de cinco edições do Brasileirão, disputou 96 jogos e marcou 39 gols. Primeiro brasileiro a fazer gol no Serra Dourada, Lincoln foi ainda o principal goleador do estadual em 1974 e 1976, com dezoito gols em cada edição. Hoje mora em Palmas, onde é funcionário público e comentarista esportivo de rádio e TV.

* Paghetti

Disputou quatro edições do Campeonato Brasileiro pelo Goiás (1973 a 1976). Atuou em 64 partidas e marcou dezoito gols - 3 históricos no empate de 4-4 com o Santos pelo Campeonato de 1973, quando o Goiás empatou uma partida na qual perdia por 4-1. Fez outro sobre o mesmo Santos em 1974, na vitória de 3-2 do Alviverde.

* Macalé

É o zagueiro mais admirado na história do Goiás. Só no Campeonato Brasileiro foram 118 jogos - 41 vitórias, 44 empates e 33 derrotas. Ele disputou sete edições da competição. Fez parte do time que em 1966 ganhou o primeiro título de campeão goiano.

* Matinha

Ninguém jogou tantas partidas pelo Goiás nos trinta anos de história do clube no Campeonato Brasileiro. O volante atuou em 154 jogos pelo clube no Brasileiro, nos quais fez 4 gols. Foram 55 vitórias, 55 empates e 44 derrotas. Ele conquistou o recorde de 1973 a 1981.

* Lucinho

O atacante disputou 75 jogos pelo Goiás no Campeonato Brasileiro (1973 a 1979), com exceção à edição de 1978, quando jogou no Operário, de Campo Grande (MS). Foram 27 vitórias, 28 empates e 20 derrotas. Lucinho fez 12 gols pelo Goiás no Brasileirão. Um destes gols entrou para a história do clube - foi o quarto gol (o do empate), nos 4 a 4 com o Santos, no dia 6 de fevereiro de 1974.

* Tuíra

O meia teve pouco tempo para se destacar no Campeonato Brasileiro pelo Goiás. Ele jogou 3 edições: de 1973 a 1975. Foram 63 jogos, 22 vitórias, 24 empates, 17 derrotas e 5 gols marcados. Fez dupla famosa de meias ao lado de Matinha.

* Carlos Alberto Santos

Foi um dos volantes mais técnicos que passaram pelo futebol goiano. Desarmava como poucos e jogava de cabeça erguida. Começou nas categorias de base do clube e foi campeão goiano em 1981, 1983 e 1986. Atuou em 94 partidas do Brasileirão pelo Alviverde.* Dadá Maravilha

* Dadá Maravilha

O folclórico artilheiro esteve no clube em 1983, no Campeonato Brasileiro. O Verdão foi o 5º colocado, Dario jogou 20 partidas, marcou 4 gols, venceu 7, empatou 8 e perdeu 5.

* Péricles

As contusões atrapalharam uma parte da carreira, mas Péricles, que veio de Itumbiara, foi um dos craques da camisa 10 do Goiás. Foi campeão goiano por várias vezes e em 1989 fez o gol do título contra o Vila Nova.

* Luvanor

Revelado nas categorias de base do clube, brilhou com a camisa 10 de 1978 a 1983. Negociado com o Catania (Itália), voltou em 1990 e ficou até 1992. Nestes anos, fez 15 gols pelo Campeonato Brasileiro. Com ele, o Goiás foi 5º lugar no Brasileirão de 1983 e vice-campeão da Copa do Brasil de 1990. Hoje é olheiro do clube.

* Zé Teodoro

Começou a carreira como volante, virou lateral-direito no Goiás e nunca mais deixou a posição. Ele disputou o Campeonato Brasileiro da Série A em 5 edições: 1982, 1983, 1984, 1985 e 1995. Em 1994, Zé Teodoro foi muito importante no vice-campeonato do Goiás no Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão.

* Cacau

Revelado pelo Goiás, o atacante surgiu na época em que o camisa 7 era o ponta-direita. Ele disputou sete edições do Campeonato Brasileiro, 1983 a 1985 e 1990 a 1993. Foram 105 jogos, dezoito gols, 29 vitórias, 35 empates e 42 derrotas.

* Uidemar

Volante muito habilidoso, disputou 4 edições do Brasileiro pelo Goiás: 1986, 1987, 1988 e 1989. Os números dele são: 71 jogos, 19 vitórias, 26 empates, 26 derrotas e 2 gols marcados. Era exímio cobrador de pênaltis.

* Baltazar

O Artilheiro de Deus

Chegou ao clube em 1993 para ser o principal jogador da equipe na Série B do Brasileiro de 1994. Baltazar foi também o artilheiro do Goianão de 1994 com 25 gols. É um dos jogadores que mais gols fez num só jogo no estado - 6 nos 7 a 0 do Goiás sobre o Ceres, em 1993.

* Lúcio Bala

Cria das categorias de base, o meia Lúcio jogou no Goiás de 1994 a 1996. Ano este que no Campeonato Brasileiro de 96, usando a camisa 10, foi uma peça fundamental para a brilhante campanha do Goiás que acabou terminando a competição em 4ºlugar. Após isso, tranferiu-se para o Flamengo.

* Alex Dias

O Atacante Pantaneiro

Chegou ao Goiás para a disputa do Campeoanto Brasileiro de 1995, contudo não teve oportunidade. Em 1996, no Campeonato Goiano, destacou-se marcando vários gols decisivos. Também, no mesmo ano, com seus golaços garantiu o 4º lugar no Campeonato Brasileiro. Terminou o ano com dezoito gols. Transferiu-se para a França. Na segunda passagem pelo Goiás, em 2004, marcou 22 gols e o Goiás atingiu excelente colocação no Campeonato Brasileiro. Neste mesmo ano, Alex Pantanero ou Alex Dias liderou a artilharia do Campeonato Brasileiro por inúmeras rodadas.

* Dill

O artilheiro do Brasil.

Cria das categorias de base, o atacante Dill jogou no Goiás de 1995 a 2000. Em seu último ano no Alviverde, Dill foi artilheiro do Brasileirão com 20 gols, ao lado de Romário, do Vasco, e Magno Alves, do Fluminense. Na Série A, defendeu a camisa esmeraldina por 69 partidas, marcou 29 gols e obteve 28 vitórias, 17 empates e 24 derrotas. No Campeonato Goiano, também entrou para a história ao marcar 29 gols em 2000, tornando-se o maior goleador do clube numa única edição do torneio.

* Fernandão

Teve o inicio de sua carreira ainda criança em janeiro de 1990 na escolinha de futebol do Goiás Esporte Clube. Três meses depois, foi chamado pelo treinador Allan Kardec para as categorias de base do clube e, em janeiro de 1995, subiu para o profissional com apenas dezesseis anos. Fernandão conquistou quase tudo pelo Goiás. Foi penta campeão Goiano em 1996, 1997, 1998, 1999 e 2000. Campeão da Série B do Brasileirão em 1999, e o bi da Copa Centro-Oeste em 2000 e 2001.

* Harlei

O Mito

Iniciou sua carreira no Cruzeiro, passou pelo Comercial de Ribeirão Preto/SP em 1999 foi para o Vila Nova e também em 1999 passou ao Goiás. Harlei já fez mais de setecentos jogos com a camisa do Goias e é hoje um dos maiores ídolos do clube. Pelo Goiás, Harlei consagrou-se Campeão Brasileiro Série B 1999, Tricampeão da Copa Centro-Oeste (2000, 2001 e 2002) e Campeão Goiano (5 vezes) 2000, 2002, 2003, 2006 e 2009.

* Josué

Josué Anunciado de Oliveira é um dos jogadores que mais vestiu a camisa do Goiás EC na história, tendo atuado em 190 jogos no Campeonato Brasileiro com a camisa alvi-verde.

Revelado pelo Clube Atlético do Porto, de Caruaru, tornou-se um dos grandes destaques do clube esmeraldino, onde jogou de 1997 a 2004, conseguindo uma convocação para a Seleção Brasileira pré-olímpica, por causa de sua ótima e incansável marcação.

* Paulo Baier

O Maestro

Chegou ao Goiás EC ainda desconhecido vindo do Criciúma EC e se tornou o maior artilheiro do Goiás nos Brasileiros em Pontos Corridos até o momento. Marcou 36 gols em 112 jogos com a camisa esmeraldina no Campeonato Brasileiro. Nos últimos anos, foi o maior ídolo no esmeraldino e chamado pela torcida como o Maestro.

* Élson

O Salvador de 2007


Élson vestiu a camisa esmeraldina por 7 meses, se tornou ídolo por boa parte da torcida do Verdão por salvar o Goiás EC do rebaixamento do Campeonato Brasileiro de 2007 ao marcar os dois gols decisivos na última e decisiva partida contra o Internacional.

* Iarley

"Campeão"

Iarley jogou no Goiás por duas temporadas, vindo do Internacional e caiu nas graças da torcida esmeraldina, marcou 51 gols em 90 jogos com o manto verde e foi Campeão Goiano de 2009, voltou ao time em julho de 2011 como promessa de reforço do Goiás EC em voltar a elite do futebol brasileiro, a série A.

* Rafael Moura

O He-Man

Chegou ao time esmeraldino no início da temporada de 2010, foi reserva de Fernandão no Campeonato Goiano, mas entrando bem em alguns jogos, até marcando gols. Titular no campeonato brasileiro, foi o artilheiro da equipe na competição da qual o clube foi rebaixado. Na Copa Sul-Americana, foi o principal jogador do Goiás e foi artilheiro da competição com 9 gols, mas se sagrou vice-campeão com o Goiás.

Patrimônio

Sede da Serrinha

Sede Administrativa

O Estádio Hailé Pinheiro (Sede da Serrinha).

* Estádio da Serrinha (Estádio Hailé Pinheiro): capacidade: 10.000 torcedores.
* Ginásio coberto com capacidade para 3.000 pessoas.
* Completa estrutura de concentração para os atletas.
* 2 campos gramados de treinamento para alunos da Escolinha de Iniciação Esportiva.
* 1 piscina de 25m semi-olímpica coberta e aquecida, para a Iniciação Esportiva.
* Estacionamento para 300 veículos.
* 2 quadras de areia para vôlei e futvôlei iluminadas.
* Pista para cooper com 1 km.
* Área disponível para realização de festas.

Centro Esportivo e Lazer Edmo Pinheiro

Parque Anhanguera

* 4 campos gramados oficiais.
* Vestiários com armarios personalizados(com foto de cada jogador),ar condicionado,duchas, banheiras de hidromassagem e cadeiras especiais.
* Sala de Comissão Tecnica com computadores, aparelho de TV e DVD e mesa de reunião, alem de um vestiario exclusivo com chuveiro e toalete.
* Departamento Médico
* Academia de Ginastica
* Área de lazer com quiosque e churrasqueira.
* 3 campos de futebol society.
* Lago natural.

* Mini bosque com árvores nativas.
* Parquinho de diversões.

Centro Coimbra Bueno

Aparecida de Goiânia

* Centro de Treinamento.
* Atendimento às crianças carentes de Goiânia e região sul.
* Pista de cooper.
* 200 campos gramados.


Rivalidades

Goiás x Vila Nova

Clássico da Emoção

Vila Nova X Goiás, Derby Goiano, Maior do Centro Oeste ou Derby do Cerrado é o maior clássico de cidade de Goiânia, capital do estado de Goiás e também o maior clássico da Região Centro-Oeste do Brasil, seja pela performance dos dois clubes nos gramados ou pela presença das duas grandes torcidas nas arquibancadas.

* Número de jogos: 276
* Vitórias do Goiás: 137
* Empates: 74
* Vitórias do Vila Nova: 65
* Maior goleada do Goiás: Goiás 6 x 1 Vila Nova em 8 de fevereiro de 2009
* Último jogo considerado: Goiás 1 x 1 Vila Nova em 6 de agosto de 2011

Goiás x Atlético Goianiense

Clássico da Paz

É considerado o Clássico da Paz, pois não tem a rivalidade de um Goiás x Vila Nova. Mas é um clássico, onde a rivalidade no campo, vem crescendo nos últimos anos.

* Número de jogos: 142
* Vitórias do Goiás: 72
* Empates: 36
* Vitórias do Atletico: 34
* Maior goleada do Goiás: Goiás 5 x 0 Atlético em 22 de fevereiro de 1998.
* Último jogo considerado: Atlético 1 x 1 Goiás em 15 de maio de 2011.

Goiás x Goiânia

Clássico GoGo

Grande clássico dos anos 70, 80 e 90, mas com a decadência do Galo Carijó, a rivalidade praticamente não existe mais. Hoje, o Goiânia é querido por todos outros torcedores dos times da capital, inclusive por esmeraldinos.

Torcida

Em seus primeiros anos de existência, dizia-se que o Goiás tinha apenas 33 torcedores, alusão aos poucos torcedores que tinha na época. Atualmente, é o clube de maior torcida do estado de Goiás e das regiões Norte e Centro-Oeste brasileiras, conforme pesquisa realizada pelo [Gallup em 2008]. O clube esmeraldino também tem números expressivos de seus torcedores no Distrito Federal, no Tocantins, no Mato Grosso, no Mato Grosso do Sul, no Pará e em Roraima. Seguindo a pesquisa, o Esmeraldino do Brasil Central possui a 16ª maior torcida do Brasil com 1,6 milhões de torcedores.

Torcidas Organizadas

* Força Jovem do Goiás

Fundada no dia 23 de Maio de 1997, a partir da extinção da Inferno Verde, com objetivo de criar uma associação de torcedores realmente esmeraldinos, e que tivessem o mesmo pensamento, amar o Goiás Esporte Clube.

E cumprindo seu ideal e suas metas a Força Jovem Goiás conseguiu conquistar o apoio e respeito entre todos os esmeraldinos, se tornando assim, a maior, mais vibrante e mais apaixonada, que hoje já conta com aproximadamente 13.000 associados.

Diretoria

Conselho Deliberativo

* Presidente do Conselho Deliberativo: Hailé Selassié de Goiás Pinheiro
* 1º Vice-presidente do Conselho Deliberativo: Gilberto Sebba
* 2º Vice-presidente do Conselho Deliberativo: Edson José Ferrari

Diretoria Executiva

* Diretor de Futebol: Marco Antônio Figueiredo
* Diretor Administrativo: -
* Superintendente Adm.: Marcelo Nunes Segurado
* Diretor Financeiro: Quênio Ramos de Souza
* Diretor de Marketing: Paulo Augusto Siqueira de Pádua
* Diretor de Esportes Amadores: -
* Diretor de Patrimônio: Nabyh Salum
* Diretor Social: Aledino Montes
* Superintendente Social: Luis Alberto Bites
* Diretor de Saúde: Paulo Tadeu Machado
* Diretor Odontológico: Cassiano Rocha de Medeiros
* Diretor de Esportes Olímpicos: Antônio Marques Venâncio
* Diretor Júrídico: -
* Diretor de Iniciação Esportiva: Antônio Marques Venâncio

Hino



* Eu sou Goiás Esporte Clube
* Eu sou Goiás, eu sou Goiás e vou gritar
* Até o peito me doer
* Até perder a voz eu sou Goiás
* Eu sou Goiás até morrer, eu Sou Goiás,
* Eu sou Goiás de coração
* Cada vez nossa torcida cresce mais
* Eternamente serei Goiás
* Nosso Clube é a nossa glória
* A nossa garra, nossa gente, nossa história
* O amor pela nossa bandeira
* É para nós a maior vitória
* Nosso Clube é a nossa glória
* Nossa garra, nossa gente, nossa história
* A vida toda eu vou torcer
* Eu sou Goiás, Goiás, até morrer
* Eu sou Goiás Esporte Clube
* Eu sou Goiás, eu sou Goiás e vou gritar
* Até o peito me doer
* Até perder a voz eu sou Goiás
* Eu sou Goiás até morrer
* Eu sou Goiás, eu sou Goiás de coração
* Cada vez nossa torcida cresce mais
* Eternamente serei Goiás.

Elenco 2011

Atualizado em 7 de Agosto de 2011.

Goleiros
Harlei Capitão
Pedro Henrique
Wallace
Bruno Colaço

Defensores
Jogador ---- Pos.
Ernando Z
Rafael Tolói Z
Marcão Z
Valmir Lucas Z
Wallinson Z
Oziel LD
Douglas LD
Valdir Lima LD
Digão LE
Andrezinho Jogador Lesionado LE
Gerson Emprestado. LE
Danilo Santos LE
Zé Carlos LE

Meio-campistas
Jogador --------- Pos.
Carlos Alberto V
Amaral V
Zé Antônio V
Leandro V
Alan Bahia V
Marcinho Guerreiro V
Marcelo Costa M
Diniz M
Felipe Amorim M
Robert M
Elivélton M
Thiago M
Netinho M

Atacantes
Jogador
Hugo
Guto
Thiaguinho
Wendell Lira Jogador Lesionado
Iarley
Tardelly
Max Pardalzinho
Johnathan
Wellington
Assuério

Comissão técnica
Nome --------------- Pos.
Enderson Moreira T

Goiânia - Cidade onde Nasceu o Goiás Esporte Clube



Aniversário: 24 de outubro
Fundação: 24 de outubro de 1933 (77 anos)
Gentílico: goianiense
Prefeito(a): Paulo Garcia (PT) - (2009–2012)

Características geográficas
Área 739,492 km²
População 1 318 148 hab. estimativa IBGE/2011
Densidade 1 782,5 hab./km²
Altitude 749 m
Clima tropical semiúmido
Fuso horário UTC−3

Goiânia é um município brasileiro, capital do estado de Goiás e segunda cidade mais populosa do Centro-Oeste, sendo superada apenas por Brasília. Situa-se no Planalto Central, a 209 quilômetros a sudoeste do Plano Piloto de Brasília e é um importante polo econômico da região, sendo considerada um centro estratégico para áreas como indústria, medicina, telecomunicações e agricultura. Assim como algumas outras cidades brasileiras, Goiânia desenvolveu-se a partir de um plano urbanístico, tendo sido construída com o propósito de desempenhar a função de centro político e administrativo do estado de Goiás. Foi fundada em 24 de outubro de 1933, absorvendo, em 1937, da cidade de Goiás, a função de capital do estado.




Cidade de Goiás, Brasil autêntico que se foi ...

Carlos Sodré Lanna

Situada no coração deste imenso País, a 140 quilômetros de Goiânia e a 350 de Brasília, a primeira capital goiana, a cidade de Goiás, conta com uma população de aproximadamente 30 mil habitantes. Sua economia ba­seia-se na pecuária e no turismo, bem como em muita história desde quando foi fundada pelos bandeirantes, no ano de 1725.

O Museu das Bandeiras, localizado na cidade, narra a legendária colonização de Goiás. Informa-nos ele que, em 1682, a região recebia a expedição do bandeirante Bartolomeu Bueno da Silva, que encontrou os Índios Goyases. Ele procurava ouro e pedras preciosas, e os indígenas não lhe indicaram onde Os havia, o que o levou a queimar aguardente em um prato, ameaçando atear fogo nos rios da região. Isto assustou os silvÍcolas, que lhe entregaram o mapa das minas e chamaram-no "Anhanguera", que significa "diabo velho".

No ano de 1722, seu filho, de mesmo nome, que o havia acompanhado na primeira expedição, voltou à região. Em 1725, ele reencontrou os Índios goyases, criando os primeiros aldeamentos, de onde surgiu o arraial que tomou sucessivamente os nomes de Ferreiro, Ouro Fino, Barra e Santana. Este último, em 1739, passou à categoria de vila, com o nome de Vila Boa de Goyaz, em homenagem a Bueno, seu fundador, e aos goyases, seus primeiros habitantes.

Em 1748, o Rei de Portugal criou as Províncias de Goiás, Minas Gerais e Cuiabá (hoje Mato Grosso), todas desmembradas da antiga Capitania de São Paulo, a qual também passou a ser uma Província. No ano seguinte, chegou à capital da Província de Goiás o Govemardor Dom Marcos de Noronha, Conde dos Arcos. Edificou ele a residência oficial, que até hoje conserva seu nome.

A primitiva capital, como já foi dito, chamava-se Vila Boa de Goyaz. Posteriormente, passou a denominar-se Goyaz, cuja ortografia foi atualizada para Goiás. Seus habitantes ainda são chamados vila­bonenses, tendo sido ela sede do governo estadual até 1933. Nesse ano, a sede governamental foi transferida para a atual Goiânia.

Goiás volta a ser capital

Todos os anos, no aniversário da cidade, 26 de julho, festa de Santana, sua Padroeira, Goiás volta a ser a capital. Os três poderes vão despachar durante três dias no antigo Palácio Conde dos Arcos. Este está localizado em bela praça com um pitoresco coreto, onde se situam também duas catedrais, a antiga e a nova.

A primeira - a Catedral de Nossa Senhora da Boa· Morte, hoje infelizmente transformada em Museu de Arte Sacra - foi construída em 1770. É pequena e simples, mas bela e imponente, ostentando um sino de som grave - fundido ali mesmo, em 1785 -, e o poço de pedras superpostas, da mesma época.

Outras igrejas de Goiás foram edificadas igualmente em estilo colonial- barroco, como a de Nossa Senhora da Abadia – um dos mais importantes tesouros artísticos goianos - que apresenta em suas linhas arquitetônicas harmonia e proporção.

O estilo das casas também é o colonial-barroco, com muito colorido. Excetuados os belos casarões, a maioria delas são geminadas, com a porta principal dando diretamente para a rua.

Um rio de águas cristalinas corta a cidade. Várias pontes pitorescas o atravessam. As ruas são calçadas com pedras em diversos tamanhos e formas.

Paira em Goiás uma nota de tradição e religiosidade, o que a toma quase um museu a céu aberto com uma aparência provinciana de mais de dois séculos de existência.

Semana Santa em relíquia arquitetônica

Procissao do fogaréu


Bastante conhecidas são as celebrações da Semana Santa em Goiás, realizadas desde 1745. Dentre elas destaca-se a chamada Procissão' do Fogaréu, que se realiza na Quarta-feira de Cinzas, às 23h30. Sai ela da Igreja da Boa Morte e simboliza a procura e prisão de Nosso Senhor Jesus Cristo.

As ruas da cidade são iluminadas por centenas de tochas de fogo, conduzidas pelo povo e por figurantes encapuzados de uma Irmandade, que efetuam simbolicamente a prisão de Nosso Senhor no Monte das Oliveiras (igreja de São Francisco), o qual é representado por um estandarte branco do século XVIII, pintado na frente e no verso.

Realizam-se ainda várias outras celebrações com quadros vivos, como a crucifixão e descida da Cruz. Após o Domingo de Páscoa, começa a Festa do Divino, que termina na terça-feira. Dela participa toda a população de Goiás.

Muitas dessas cidades históricas brasileiras constituem verdadeiras relíquias, evocando um passado que, infelizmente, não chegou a desabrochar por inteiro. Nessas relíquias encontra-se a luz que ainda nos pode indicar o caminho a ser retomado, com vistas ao futuro. Luz que brilha na constelação do Cruzeiro do Sul, símbolo estelar admirável da Cruz de Cristo. Luz que se chama Civilização Cristã.

Comente
Leia os comentários
Envie para amigos
Versao para impressão


Para mais informações acesse "...E ASSIM NASCEU... GOIÂNIA!"

Referências

1. ↑ a b c d e Goiás Esporte Clube iG Esporte
2. ↑ Goiás vence Cerro Porteño, mas é eliminado da Sul-Americana R7 Esportes
3. ↑ Goiás vence Palmeiras e é finalista da Copa Sul-Americana Jornal Nacional
4. ↑ Goiás vence Independiente e se aproxima do título inédito da Sul-Americana O Globo
5. ↑ Goiás perde título nos pênaltis, e Grêmio vai para a Libertadores globoesporte.com

0 comentários:

Postar um comentário